Papel para enrolar cigarro: um mercado em contínua expansão

Tempo de leitura: 3 minutos

Enrola, aperta, lambe e acende. A prática de enrolar seu próprio tabaco leva ao prazer de fumar um cigarro artesanal feito com todo cuidado e atenção. Trata-se de um público que, em vez comprar produtos manufaturados e distribuídos em escala industrial, em maço ou box, opta por fazer o seu próprio.

Em parte, esse pequeno nicho tem se agigantado por conta da popularização do papel para enrolar cigarro, também conhecido como rolling papers. Ideal na personalização do cigarrinho para todas as horas, o produto tem criado fortes raízes no mercado brasileiro na última década, com espaço para crescer ainda mais.

Veja, a seguir, os motivos que rondam e contribuem para o destaque comercial do papel para enrolar cigarro!

A legalização faz parte do sucesso

O mercado de rolling papers na América Latina e nos Estados Unidos, se fortaleceu a partir das decisões de legalizar a plantação, distribuição e venda da maconha no Uruguai e no Estado do Colorado. A descriminalização abriu espaço para o comércio expandir e passar a suprir a demanda do consumidor.

Com isso, o que era tendência na Europa – onde a Holanda seguiu pelo caminho da legalização há mais de 40 anos -, se ramificou para o resto do mundo. Entre a quantidade extensa de produtos dedicados ao fumo, o papel para enrolar cigarro fez frente à necessidade desse seleto grupo.

Em atividade há mais de 200 anos

Engana-se, no entanto, quem credita à legalização da maconha, exclusivamente, a popularidade do mercado de rolling papers. Afinal de contas, o processo já datava de meados do século 19, na Europa e nos Estados Unidos, entre tantos outros países, com o tabaco puro como protagonista do processo.

Recentemente, aumentou a proporção de fumantes que veem mais prazer em enrolar o seu cigarro, ao invés de comprar os comercializados pela indústria tabagista. Um leque amplo de consumidores em busca de um produto em comum: o cigarro artesanal contendo apenas tabaco.

A diferença do papel utilizado para a atual seda para enrolar cigarro, entretanto, é igualmente proporcional aos anos passados do século 19 para cá, pois mais tecnologia é empregada na produção, buscando compor um sabor mais natural a cada tragada.

Modernizando a produção do papel

Por conta da modernização na produção do papel para enrolar cigarro, encontra-se uma série de produtos destinados a diferentes objetivos. É comum, entre as tantas marcas nacionais e importadas, o papel produzido a partir da fibra de milho, da palha de arroz, do cânhamo, da celulose e da polpa de madeira.

A ideia é que o papel seja o mais transparente possível e passe a menor quantidade de sabor proveniente dos processos de produção. O resultado que as empresas especializadas têm buscado é, naturalmente, que o tabaco não sofra alterações quando carburado.

As próprias cifras levantadas por quem empreendeu nas folhas para enrolar fumo provam que a empreitada é um sucesso. Os bons resultados fizeram do Brasil referência, e esta referência trouxe a popularização do produto. Assim, o papel para enrolar cigarros enraizou nas tabacarias, bancas de jornal e lojas especializadas como o produto ideal para quem deseja fazer o seu próprio cigarro.

Você já é um adepto dos papéis para enrolar cigarros? Continue nos acompanhando e saiba tudo sobre o assunto!

Facebook Comments

1 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *